AVISO: Você deve habilitar Javascript no seu navegador para ver este conteúdo corretamente.

Imagem de fundo da barra do MPF

Ir para o conteúdo. | | Ir para a navegação

Logo da PRRJ
 
Imagem do logo da PRRJ
Imagem do logo do Youtube | Imagem do logo do twitter | Imagem do logo do rss
Você está aqui: Página Inicial FrontPage Notícias MPF obtém apreensão de 260 caça-níqueis em Itaperuna
Ações do documento

MPF obtém apreensão de 260 caça-níqueis em Itaperuna

publicado em 31/05/2007
Máquinas foram recolhidas num depósito e em 19 estabelecimentos comerciais

A pedido do Ministério Público Federal em Itaperuna, a Justiça expediu mandados de busca e apreensão em 19 estabelecimentos comerciais que exploravam máquinas de caça-níqueis. A Polícia Federal cumpriu a ordem judicial nesta quinta-feira, dia 31, em vários pontos de Itaperuna.

O pedido de apreensão foi feito pelo procurador da República Cláudio Chequer. Ao todo, cerca de 260 máquinas eletrônicas programáveis foram apreendidas em vários bares, lanchonetes e lojas de conveniência em Itaperuna. A partir de uma denúncia anônima, foram encontradas 200 máquinas apenas num depósito no bairro de Niterói. Outros 20 caça-níqueis foram apreendidos num hotel-restaurante.

O MPF obteve ainda a apreensão de elementos de prova, especialmente computadores, livros contábeis e comerciais, documentos, dinheiro, tabelas, talões e canhotos de cheques, guias de importação, entre outros. Outro pedido atendido pela Justiça refere-se ao acesso dos agentes da Polícia Federal aos dados contidos em disquetes, CD-Roms, softwares e hardwares.

Como as máquinas foram montadas no exterior ou no Brasil com componentes estrangeiros e seu uso constitui jogo de azar, proibido no país, sua exploração comercial caracteriza crime de contrabando, como descreve o Código Penal. “O Município de Itaperuna representa um pólo do Noroeste Fluminense, considerado pelos criminosos como uma região, portanto, bastante atraente para a perpetração desses crimes.

"Hoje, toda birosca existente na cidade passa a ser um terreno fértil para os criminosos lançarem suas sementes, tornando-se, pois, necessário combater esse tipo de crime em seu nascedouro"”, afirma o procurador Cláudio Chequer.

registrado em:
Menu