AVISO: Você deve habilitar Javascript no seu navegador para ver este conteúdo corretamente.

Imagem de fundo da barra do MPF

Ir para o conteúdo. | | Ir para a navegação

Logo da PRRJ
 
Imagem do logo da PRRJ
Imagem do logo do Youtube | Imagem do logo do twitter | Imagem do logo do rss
Você está aqui: Página Inicial FrontPage Notícias MPF pede a quebra de sigilo de Waldomiro em inquérito que investiga bingos
Ações do documento

MPF pede a quebra de sigilo de Waldomiro em inquérito que investiga bingos

publicado em 19/02/2004

O Ministério Público Federal, através do procurador da República José Augusto Vagos, pede hoje, 19 de fevereiro, a quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de Waldomiro Diniz e Daniel Homem de Carvalho. O pedido é referente ao Inquérito policial 16/2001 da Delecoie, da Polícia Federal, que investiga bingos e agentes públicos. O Bingo Scala, a Loterj, Franciso Recarey Vilar, Antônio Vilar Maronas, Waldomiro Diniz e Daniel homem de Carvalho são os investigados deste outro inquérito envolvendo o ex-assessor parlamentar da Presidência da República, que corre no Rio de Janeiro desde 2001.

"Diante desse novo fato, que já é público e notório, a medida se faz necessária nessa outra investigação sobre bingos". – declara o procurador.

No final do ano passado o Ministério Público Federal, após longo trabalho de investigação e subsidiado em inquéritos policiais federais que tramitam na Polícia Federal do Rio de Janeiro, ajuizou uma ação civil pública junto à Justiça Federal, obtendo uma liminar para fechamento de todos os bingos desta Cidade, pois estavam instalados à margem da lei e com a conivência da LOTERJ.

Tal liminar foi revogada uma semana depois, no dia 15/10/2003 (Reclamação n. 2460), pelo Ministro Marco Aurélio de Mello, do STF, a pedido do Governo do Estado, feito pessoalmente através da Governadora Rosinha Matheus, conforme noticiou a imprensa na época.

A sede da LOTERJ, em 16 de setembro de 2003, foi objeto de busca e apreensão a pedido do Ministério Público Federal, pois havia indícios de conivência com atividades de corrupção por parte dos bingos. Tais indícios foram obtidos em inquérito policial federal, e remontam à administração de Waldomiro Diniz, além de outras administrações. O pedido foi deferido pela 5a. Vara Federal Criminal / RJ e a busca foi realizada. No entanto, a extensa lista de documentos arrecadados, importantíssimos para as investigações, tiveram que ser devolvidos à LOTERJ antes de serem examinados, por força de liminar obtida dois dias depois (18/09/2003), por essa autarquia junto ao Tribunal Regional Federal da 2a. Região.

"A liminar foi atípica, pois, de forma abrupta, impediu o prosseguimento das investigações quanto aos atos praticados pela LOTERJ através dos seus ex-dirigentes. Pretendo continuar investigando - apesar das dificuldades impostas à repressão do jogo clandestino - as atividades dos empresários do bingo e agentes públicos a eles ligados. Legalizar o jogo, na atual conjuntura, significa entregar aos corruptores a sua exploração, ou seja, o mesmo que entregar aos traficantes o alvará para as suas atividades em caso de legalização das drogas, relegando os outros crimes (mais graves) que cometeram para implemento de sua atividade." – afirma o procurador José Augusto Vagos.

Menu