AVISO: Você deve habilitar Javascript no seu navegador para ver este conteúdo corretamente.

Imagem de fundo da barra do MPF

Ir para o conteúdo. | | Ir para a navegação

Logo da PRRJ
 
Imagem do logo da PRRJ
Imagem do logo do Youtube | Imagem do logo do twitter | Imagem do logo do rss
Você está aqui: Página Inicial FrontPage Notícias Ex-gerente dos Correios é condenado a 11 anos de prisão e multa de R$ 1,2 mi
Ações do documento

Ex-gerente dos Correios é condenado a 11 anos de prisão e multa de R$ 1,2 mi

publicado em 06/07/2015
Condenado fraudou plano de saúde da estatal
A Justiça Federal condenou o ex-gerente de saúde dos Correios, Marcos da Silva Esteves, por crime de peculato e extravio de documentos em um esquema de fraude no plano de saúde da empresa. A pena do ex-gerente da estatal é de 11 anos, um mês e 14 dias de reclusão, que deverá ser cumprida em regime fechado. Ele também foi condenado a pagar aos Correios quase R$ 1,2 milhão, a título reparatório dos prejuízos financeiros causados a empresa pública. O réu poderá recorrer da pena em liberdade. (Processo nº 00170935020134025101).

O procurador da República Sérgio Luiz Pinel Dias, responsável pelo processo, defende que o ex-gerente seja condenado a penas maiores, mas referendou a sentença. "Os fatos apurados ao longo da Operação Titanium são gravíssimos e essa primeira condenação, em que todos os crimes imputados pelo Ministério Público Federal foram confirmados pelo juízo federal, é um passo importante para a punição dos envolvidos", afirma o procurador da República.


O esquema de fraude e superfaturamento no plano de saúde dos Correios foi desarticulado pela Operação Titanium, realizada pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal (PF) em 2013, com o cumprimento de mandados de busca e apreensão.


Entenda o caso
O esquema criminoso causou prejuízo de mais de R$ 7 milhões aos cofres da estatal, entre agosto de 2011 e abril de 2013. Conforme denúncia apresentada pelo MPF, os ilícitos eram articulados por Daniel de Melo Nunes e Carlos Alberto Alonso, que negociavam privilégios para hospitais no Rio de Janeiro, com o aval do ex-diretor dos Correios, Omar de Assis Moreira, e do ex-gerente de Saúde da estatal, Marcos da Silva Esteves. Eles permitiam a antecipação de pagamentos para hospitais em troca de propina. Os estabelecimentos de saúde passavam, assim, a fazer parte de uma “lista de prioridades”. Os demais denunciados pelo esquema ainda respondem a outros processos na justiça.

Assessoria de Comunicação Social


Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro

Tels.: (21) 3971-9488/9460

www.prrj.mpf.mp.br

MPF investiga construção de aeródromo no Norte Fluminense


Menu